1- SENTIR DOR É NORMAL (pelo menos no início)
Pelo menos no começo, a dor ajuda você a fazer coisas diferentes para não se machucar. Existem muitas situações que a dor ajuda a nos livrar de problemas que nosso cérebro entende que é sério.

Antigamente quando acabava luz em casa as pessoas não usavam celular para iluminar o caminho. Nós usávamos vela! Quando eu era criança resolvi tocar naquela chama atraente! Imediatamente senti uma dor, retirei o braço e aprendi alguma coisa com isso! Aprendi que eu não deveria tocar no fogo, ou pelo menos deveria fazer isso de um jeito diferente.

Já adolescente um dia na escola eu estava jogando futebol quando vi meu pai na arquibancada, fui acenar para ele e levei uma bolada na testa! Ficou vermelho, a dor ficou presente por alguns minutos mas continuei jogando mesmo ainda sentindo meu rosto ardendo. Eu me lembro também que nessa época meu treinador era muito bravo. Sem nenhum gol para comemorar, eu lembro de ter saído da quadra com a mão no olho dizendo "não fiz gol por causa da bolada que não me fez enxergar". Como se isso fosse evitar a bronca que a gente levou!

Esses foram exemplos de dores agudas, ou seja aquela dor que tem a função de nos proteger de alguma possível ameaça. A dor que leva minutos, horas, dias ou poucos semanas para desaparecer. E como qualquer dor pode aumentar e diminuir de acordo com vários fatores. 

E você, pode me contar alguma situação que sentiu dor? Como foi? Quanto tempo levou para você voltar a fazer todas suas atividades?

2- DOR NÃO É A MESMA COISA QUE LESÃO OU MACHUCADO
A dor e o machucado podem acontecer juntos e normalmente chama tanto nossa atenção que é comum  acreditarmos que significam as mesmas coisas. Podemos considerar a dor aguda como um aviso de que algo mais sério como uma lesão pode acontecer. Eu gosto de imaginar a dor e a lesão como amigas que andam juntas algumas vezes, mas andam separadas em muitas outras vezes. 

Veja alguns exemplos de quando a dor existe sem que exista qualquer lesão. 

Quando alguém coloca a mão no fogo e retira rapidamente.
Quando alguém sente uma dor de cabeça e desaparece depois de algumas horas? 
Quando alguém fica muito tempo na mesma posição com as pernas dobradas e tem dificuldade de esticar.
Quando alguém bate o dedo do pé na quina da cama. 

Esses exemplos mostram que a dor existiu, sem a presença de lesão. Da mesma forma que a dor existiu sem lesão nesses exemplos, pode acontecer em muitas outras situações em acreditamos ter nos machucado ao sentir dor. Por exemplo, quando alguém pega uma caixa no chão e sente dor nas costas, quando se sente uma dor no joelho ao descer escadas, entre outras situações.

Portanto, ao sentir uma dor PENSE "aquilo que eu sinto não significa que eu esteja machucado".

Imagem

Agradecimento 
especial para os apoiadores desse projeto

Apoiadores por financiamento coletivo! Sem vocês esse projeto não existiria!
AMIGOS APOIADORES:
Alexandre Cassolini, Andrea Zupo Maynart de Oliveira, Cristiane Liz Saggal Cassolini, Cristiane Midori Yamauti Saggal, Cristina Yamauti, Daniel Zupo, Erika Yuri Kamitsuji Ferreira, Fernando Yudie Ossada, Gabriela Yukie Yamauti, Hugo Yudi Rizzoli Takeshiro, Jorge Kamitsuji, Jucemara S. L. Alves, Leo Costa, Lucíola Menezes Costa, Magda Mugnol Rocha, Marcia Maria Mugnol, Maria Amelia Amaral Saragiotto, Nilva Massumi Hanzawa Kuniyoshi, Otavio Castanho, Raquel Simoni Pires, Robson Hirata, Rodrigo Petrone, Rogerio Saggal, Veronica Sterzek Lin, Shinji Yamauti, Solange Fecuri, Sophia Akemi Kamitsuji Ferreira, Tânia Regina Parma, Tatiane Ichitani, Valteir Bernardes Borges, Victor Yudji Nakaharada Kokubo, Vivian Mari Inoue, Wanderley Nogueira, William Lin.

EMPRESAS APOIADORAS: 
INSTITUTO I9C TREINAMENTOS
LOJÃO DO BAIXINHO 
PERFUMARIA SUMIRÊ

CONSULTORES
Científicos: Tiê Parma Yamato e Bruno Saragiotto
Literários: Gonçalo Ferreira da Silva e Norival Leme Junior
Ilustração: João Alves da Silva
Narração: Patricia Rizzo
Produção áudio e video: Adolfo Carolino
Autor: Rodrigo Rizzo
Imagem
João Maria

Sobre o autor

Rodrigo Rizzo é pai da Julia e do Thomas e está cheio de sobrinhos especiais como a Clara Morena, o Kaique, a Yasmin, o Kenzo e o Victor.

É mestre em fisioterapia e tem experiência clínica no manejo de pessoas com dor crônica há mais de 15 anos. Atualmente, Rodrigo Rizzo é doutorando pela University of New south Wales - Australia. Tem como interesse entender como potencializar o funcionamento do cérebro para aumentar os benefícios no tratamento da dor.

Rodrigo Rizzo é idealizador do "Mapa da Dor" - Uma nova maneira de pensar a dor. É reconhecido internacionalmente pela sua capacidade de transformar conhecimento complexo sobre a dor em algo compreensível para todos.
Feito com